31 de dezembro de 2010

Roxette - She’s Got Nothing On (But the Radio)

Parece que os fãs brasileiros da banda deram sorte. Por algum motivo ainda não esclarecido, o site do UOL Música disponibilizou a música para venda on line uma semana antes do lançamento mundial do single novo da banda Roxette.
Após um diagnóstico de tumor cerebral em Marie Fredriksson em 2002, a banda interrompeu subtamente suas atividades. No entanto, com sua milagrosa recuperação a banda voltou a se reunir para eventuais shows que culminaram na gravação meio informal de um álbum de inéditas. E eis que "She’s Got Nothing On (But the Radio)" é o primeiro single de "Charm School" a ser lançado em fevereiro de 2011.
Clarence Öfwerman, produtor da banda desde 1986, considera esse o melhor álbum deles desde Joyride (1991). E, a julgar pelo que se ouve em "She´s got nothing on", o sr. Per Gessle (que faz dupla com Marie e que compõe todas as músicas da banda) está cada vez mais afiado em suas letras e melodias.  O álbum promete!!!
Aproveitem!
Bacon!

22 de dezembro de 2010

The Silver Seas - High Society

Esse é um álbum mágico! Daqueles que vc ouve e tem certeza de que já conhecia, mesmo nunca tendo ouvido. Easy rock ou indie folk, chame como quiser. Fato é que aos primeiros acordes vão pipocar nomes de referência na sua cabeça: Beach Boys, Josh Rouse, Van Morrison...  
Álbum daqueles prá deixar rolando, ouvindo, ouvindo, ouvindo... e aos poucos vai crescendo a admiração a canções tão bonitas, bem escritas, poéticas, deliciosas, envolventes...
Pontos altos são a ótima abertura do álbum com a animada "The Country Life", a deliciosa "Ms. November" e a instrumental "Tativille". Minha favorita é a melancólica "She Is Gone", triste e linda.
Recomendo!
Bacon!

The Silver Seas - High Society (2007)
1. The Country Life
2. High Society
3. Ms. November
4. Imaginary Girl
5. She Is Gone
6. Catch Yer Own Train
7. Tativille
8. We'll Go Walking
9. Hard Luck Tom
10. Dream of Love
11. The Broadway Lights

7 de dezembro de 2010

Iron and Wine - Walking Far From Home

Poucas bandas conseguem me arrebatar de uma forma tão incondicional como Iron and Wine. A poesia das letras, as melodias simples mas absolutamente envolventes, a liberdade de estilo, a qualidade dos arranjos, dos músicos, dos vocais.... É tudo supreendentemente bom, ótimo, genial. E quanto mais ouço, mais reafirmo essas constatações. 
Eis o primeiro single que precede seu novo álbum de estúdio a ser lançado em 2011, primeiro de inéditas desde 2007. 
Acompanham a linda "Walking far fron home" duas músicas extra (que não fazem parte do novo álbum). Um jazz enlouquecido, meio caótico e sincopado - "Summer In Savannah" - e a baladinha "Biting Your Tail", mais simples e deliciosa. 
Altamente recomendado!
Bacon!

Iron and Wine - Walking Far From Home [single]  (2010)
1. Walking Far From Home
2. Summer In Savannah
3. Biting Your Tail

4 de dezembro de 2010

Anouk - Who's Your Momma?

Descoobri essa holandesa assistindo a uma entrevista do genial diretor sueco Jonas Åkerlund em que ele falava da filmagem de "Good God" (aqui) para a roqueira Anouk. Se vc não sabe quem é o fulano, ele dirigiu, entre outras mil coisas, o premiadíssimo clipe de "ray of light" da Madonna, aqui, além de ter no currículo clipes para os Rolling Stones, U2, Paul McCartney, Metallica e Roxette. Ou seja: o cara é foda...
Ao ver o clipe me apaixonei pelo som a Anouk: pesado, pop, vocais com uma levada mais blues, muitos sopros... Esse é o álbum de 2007 dela (que já lançou pelo menos mais dois depois, completando 10 no total) e é bastante irregular. Qualidade sempre, diga-se de passagem. Mas não dá prá dizer que seja rock, nem que seja blues...  Fica bem forte o paralelo com o estilo diversificado de Cássia Eller, que levava isso ao extremo.
Além da ótima "Good God" (ao vivo aqui), também recomendo a intensa "Ball And Chain" e a deliciosa balada blues "Whatever You Say", que é, de longe, minha favorita do álbum. E são, aliás, músicas da segunda metade do álbum. O que prova que julgar um álbum apenas pela primeira canção não é um método muito eficiente de avaliação....
Bacon!

Anouk - Who's Your Momma (2007)
01. If I Go
02. Might As Well
03. Make It Rain
04. Modern World
05. I Don't Wanna Hurt
06. Good God
07. The Difference
08. Whatever You Say
09. Ball And Chain
10. Daze
11. If You Were Mine

27 de novembro de 2010

I Got You On Tape - Spinning For The Cause

Dinamarqueses com um som intenso, hipnótico, que mescla momentos mais indie-rock com  pirações  shoenegaze. Altíssima qualidade! A banda é formada por um "all star team" de aclamados músicos da cena indie, underground e jazz de Copenhaguen. 
Sugiro começar com canções mais amigáveis, como a deliciosa "Spinning For The Cause" que dá nome ao álbum (ao vivo aqui), ou a ótima "Beggars And Bangers", com sua sonoridade meio anos 80. Depois de iniciado, vc poderá experimentar a beleza de coisas mais obscuras como "Permanent Vacation" ou a lindíssima "Polkadots".
Mas não se assuste. O esforço de insistir em ouvir algo não tão pop logo de cara recompensa. É um álbum fantástico!
Bacon

I Got You On Tape - Spinning For The Cause (2008)

01. Cabaret
02. Permanent Vacation
03. The Blacksmith
04. Ace in the hole
05. Polkadots
06. Spinning For The Cause
07. Waking up the brotherhood
08. Beggars and Bangers
09. Talk about the treadmill
10. Wedding son

26 de novembro de 2010

8bit Pipe - Bless America

Eu avisei que os caras eram bons!!! Olha no que deu: a Philips usou o ótimo single "Bless America" para trilha de um comercial lindo sobre sua nova linha de Tvs com "surround para os olhos"! Uia!!!
Confira o vídeo abaixo e, se vc ainda não ouviu o álbum todo, recomendo. Veja os posts aqui
Parabéns à banda! Vcs vão longe!!!
Bacon

video

20 de novembro de 2010

The Temper Trap - Conditions

Esses australianos são uma das grandes "revelações" do mundo da música indie/ moderninha. E eles estão vindo para o Brasil fazer show em Dezembro (no Halls XS Xtra Sound).
Prá ser bem franco, o rock de ótima qualidade e com melodias grudentas que eles fazem não é bem novidade... Soam inclusive bastante familiares e, por isso mesmo, grudam imediatamente no seu cérebro. Ressoam ecos de guitarras do U2, Coldplay, Radiohead e tantos outros.
Vai ver que é por isso que não dá prá ouvir a ótima "Love Lost" sem querer ouvi-la de novo e de novo e de novo. Mas não se iluda: a banda tem consistência e manda muito bem ao vivo, a julgar pelos vídeos de shows que encontramos ndo youtube, mantendo a integridade do som registrado em álbum (com ajuda de algumas bases pré gravadas, é verdade, como vemos com as palmas de "love lost" nessa gravação).
Outros pontos altos são o primeiro single desse álbum  "Sweet Disposition" com que fizeram muito sucesso ano passado e a ótima "Fader". 
Retire seu bacon aqui!
Bacon!
 
The Temper Trap - Conditions (2009)
01.Love Lost
02.Rest
03.Sweet Disposition
04.Down River
05.Soldier On
06.Fader
07.Fools
08.Resurrection
09.Science Of Fear
10.Drum Song

29 de outubro de 2010

Diamond Rings - Special Affections

Álbum de estréia absolutamente viciante o desse rapaz. Impossível não deixar canções contagiantes como "Wait and see" (vídeo aqui) ou "On Our Own" grudarem no seu cérebro. 
A pegada é um pop bem simples, acessível, com uma sonoridade retrô, anos 80, com algumas batidas que fazem a coisa soar até meio amadora em alguns momentos (como a batida meio tosca a lá funk carioca da genial "Something else" - vídeo aqui). Mas é tudo intencional, e o resultado é excelente! Pelo menos o suficiente para ter me viciado durante as últimas semanas!
Bacon!

Diamond Rings - Special Affections (2010)
1. Play By Heart
2. Wait And See
3. On Our Own
4. You And Me
5. Give It Up
6. Pre-Owned Heart
7. Something Else
8. You Oughta Know
9. It's Not My Party
10. All Yr Songs

23 de outubro de 2010

Joshua Radin - The Rock And The Tide

Depois de dois álbuns de indie-folk-mela cueca (prato cheio para trilha sonora de seriados televisivos, de onde vc talvez conheça a voz desse moço), Joshua Radin resolveu ousar e caminhar em direção ao indie-rock. Graças a Deus! Eis que temos aqui um álbum mil anos luz mais interessante que seus dois precedentes!
As baladinhas tradicionais (como o single "Streetlight" ou a ótima "You Got What I Need") se alternam de uma forma mais equilibrada no álbum com canções mais animadas como "Here We Go" (que eu adoro), e "We Are Only Getting Better" (que é outra de minhas favoritas). "Nowhere To Go" é outro ponto alto. Recomendo!
Não desista de nenhuma canção antes de seu refrão. Uma vez ultrapassado, elas elas soam absolutamente cativantes, grudentas e delicioas! Vale muito a pena!
Bacon!


Joshua Radin - The Rock And The Tide (2010)
1. Road To Ride On
2. Streetlight
3. Here We Go
4. We Are Only Getting Better
5. The Rock and The Tide
6. You Got What I Need
7. Nowhere to Go
8. Think I'll Go Inside
9. The Ones With The Light
10. You're Not As Young
11. One Leap
12. Wanted
13. Brand New Day - Reprise

21 de outubro de 2010

Amalia Rodrigues & Don Byas - Encontro

A exemplo do Blues, também o Fado é um estilo musical cuja estrutura simples e repetitiva ganha valor e interesse basicamente por seus intérpretes. Nesse sentido, cada gravação é uma fotografia de um momento abolutamente único.

Em visita a Lisboa em 1968, arranjou-se um encontro entre Don Byas, saxifonista de Jazz americano, e Amália Rodrigues, então no auge de sua carreira internacional. Jazz encontra o fado. Uma cantora e um saxofonista com extraordinário talento para improvisação. Don não conhecia bem o repertório de Amália. Ela, por sua vez, escolheu algumas de suas canções  favoritas e junto de seus músicos de sempre (violão acústico e guitarra portuguesa)enfiaram-se todos num estúdio. Doze canções gravadas numa sessão única, sem preparação nenhuma.
O resultado é, no mínmo, muito interessante. Se por um lado encontramos Amália numa das suas melhores performances registradas em estúdio, perfeita e irretocável com seus músicos do começo ao fim, nos deparamos com um Don Byas bastante perdido, tímido, tateando as canções.

Há momentos que mais fazem lembrar música de pizzaria (como o solo de sax em "Ai, mouraria", que mesmo assim,  é engraçada).  Em outros momentos, com intervenções mais tímidas e contidas, o sax realmente contribui para acentura o tom melancólico na bela "Cansaço" ou na fantástica "Maldição" que ganha aqui, na minha opinião, sua gravação definitiva. Vale muito a pena!
Bacon!

01. Povo que Lavas no Rio (Pedro Homem de Mello/Joaquim Campos)
02. Solidão (Brito/Trindade/Ferreira)
03. Estranha Forma de Vida (Amalia Rodrigues/Alfredo Duarte “Marceneiro”)
04. Libertação (David Mourao-Ferreira/Santos Moreira)
05. Cansaço (Fado Tango) (Luis Macedo/Joaquim Campos)
06. Rua do Capelão (Frederico de Freitas/Joao Alves Coelho)
07. Ai, Mouraria (Amadeu do Vale/Frederico Valerio)
08. Não é Desgraça ser Pobre (Norberto Araujo/Jose Alfredo Santos Moreira)
09. Coimbra (Jose Galhardo/Raul Ferrao)
10. Lisboa Antiga (Jose Galhardo/Raul Portela)
11. Há Festa na Mouraria (Antonio Amargo/Alfredo Duarte “Marceneiro”)
12. Maldição (Armando Vieira Pinto/Alfredo Duarte “Marceneiro”)

Gravado em 1968
Amália Rodrigues– vocal
Don Byas– Sax
José Fontes Rocha– violão
Carlos Gonçalves– violão
Pedro Leal– Viola portuguesa
Joel Pina–  baixo

18 de outubro de 2010

Michael Lord - Sway

Longe de ser genial, esse é um bom álbum com algumas ótimas músicas. 
Posto ele aqui em especial por conta de uma que eu adoro: a deliciosa "Bleed". Mas o álbum tem outros pontos altos, como "What Have You Got To Lose" e "Forgiven". Sem falar em "Smile" que, escolhida pelo Itunes Store como "single of the week" em 2004, foi um dos responsáveis pelo moço ter ganhado a visibilidade que lhe levou a ir fazer músicas para seriados da TV!
Bacon!

Michael Lord - Sway  (2004)
1. Come To Me
2. Forgiven
3. What Have You Got To Lose
4. Spin
5. Bleed
6. Some Days
7. Holding My Breath
8. Home
9. Suitable To Frame
10. Smile
11. Charity

5 de outubro de 2010

Braimpool - You are here

O quarteto Brainpool foi um imenso sucesso na Suécia nos anos 90. Apadrinhada pelo homem por detrás da banda Roxette (Per Gessle), lançaram 3 álbuns de canções rock divertidas, criativas e grudentas, até que seu vocalista resolveu deixar o grupo. O trio remanecente resolveu seguir com a banda, que acabou  indo por outras direções musicais (muito melhores, ao meu ver). O som amadureceu, ganhou qualidade e originalidade. "You are here" é o primeiro álbum de inéditas dessa nova fase. 
Esse salto de qualidade não foi à toa: desde 1996, Cristoffer Lundquist (baixo no Brainpool) passou a colaborar assiduamente com Per Gessle, tocando, gravando e na produção de seus álbuns solo, a ponto de passar a integrar a banda Roxette. O baterista Jens Jonanson também colaborou em todos os projetos (e turnés) pela suécia de Gessle.
"You are here" é um álbum indie/ rock fantástico que, por vezes, lembra muito a sonoridade de bandas anos 80 como Duran Duran (como na EXCELENTE "Intercity"). Em outros momentos, soa bem mais clássico, como na ótima "Into The Crowd". Mas sobretudo soa muito consistente e madura. Outros dois pontos altos são "Live - Transission" e "Walk On By".
Bacon!
Braimpool - You are here (2005)
1. Penguin Rock
2. Live - Transmission
3. You Are Here
4. God Bless Free Radio
5. Here Comes The Weekend
6. Walk On By
7. Into The Crowd
8. Intercity
9. City of Glass
10. Saviour
11. Cars
12. Reason

2 de outubro de 2010

Edward Sharpe & The Magnetic Zeros - From Below

Nova descoberta: banda na linha repartição pública, com tantos membros que vc não consegue identificar exatamente quem faz o que... uma coisa meio Belle and Sebastian nesse sentido. Eles fazem um indie folk hippie (adorei essa classificação que li num outro blog!) muito bom. 
Canções bastante elaboradas (era o mínimo prá se esperar de uma banda com tanta gente...), inteligentes, gruudentas, muito bem feitas, daquelas que começam pianinho e terminam grandiosas. Adoro essas coisas.
"Home" é o primeiro single do álbum e tem essa vocação mesmo: gruda imediatamente. "Brother" é uma canção linda, dessas que soam tão familiares que parece até que vc já ouviu num álbum antigo do Crosby, Stills, Nash & Young. E por fim, "Carries on" que é meio um mantra delicioso, prá se ouvir repetidamente. Foi a primeira coisa deles que ouvi e me arrebatou completamente. 
Bacon!
Edward Sharpe & The Magnetic Zeros - From Below (2009)
01. 40 Day Dream
02. Janglin
03. Up From Below
04. Carries On
05. Jade
06. Home
07. Desert Song
08. Black Water
09. Come In Please
10. Simplest Love
11. Kisses Over Babylon
12. Brother
13. Om Nashi Me

30 de setembro de 2010

Vítor Ramil e Marcos Suzano - Satolep Sambatown

Há alguns anos venho acompanhando os álbuns de Vítor Ramil e sempre me surpreendo com o quanto o cara é bom e o quanto não faz sucesso. Poeta talentosíssimo, compositor de peso, cantor competente, voz deliciosa, arranjos refinados, repertório admirado e regravado por muitos... É realmente inexplicável.
Esse é seu penúltimo álbum em parceria com o percussionista Marcos Suzano (que ganhou fama e visibilidade acompanhando Lenine e Moska, por exemplo). O álbum é excelente, do começo ao fim, e conta ainda com as participações especiais de Jorge Drexler e Kátia B
Todas as músicas são de autoria de Ramil, exceto pela letra de "a word is dead" que é uma poesia de Emily Dickinson musicada por Vitor. "A ilusão da casa" é uma das minhas favoritas, e já ganhou gravações de Rubi (2007) e Adriana Maciel (2000). "Que horas não são" é outro ponto alto do álbum e "Astronauta lírico" é uma verdadeira obra prima. Minha favorita!
Bacon!
Vítor Ramil e Marcos Suzano - Satolep Sambatown (2007)
01. Livro Aberto
02. Invento
03. Viajei
04. Que Horas Não São? (com Kátia B)
05. O Copo e a Tempestade
06. A Zero por Hora (com Jorge Drexler)
07. 12 Segundos de Oscuridad
08. A Ilusão da Casa
09. Café da Manhã
10. A Word is Dead
11. Astronauta Lírico

28 de setembro de 2010

Son of a plumber

Revisitar nossas raízes faz parte do caminho natural do ser humano. Numa certa altura, olhamos prá trás e identificamos a semente, o momento de nascimento de tudo o que somos e fazemos. E isso, quase sempre, acaba reforçando a identidade que desenvolvemos ao longo dos anos.
Foi assim que nasceu esse álbum de Per Gessle: revendo seus LPs de juventude, o impulso de compor músicas inspiradas nas sonoridades dos anos 60 e 70, bandas que ele admira e o influenciaram. Ouvimos aqui ecos de Sony and Cher e Nancy Sinatra, The Byrds, Beach Boys, Stones e tantos outros. 
O pseudônimo foi uma estratégia de liberdade artística: para dissociá-lo da referência imediata do Roxette. E esse é o grande mérito desse álbum: a liberdade de composição e a falta de compromisso com sonoridades, estéticas, estruturas musicais, público, etc. Canções instrumentais se misturam com baladas pop e canções experimentais. Temos até uma pequena sequência de canções emendadas (the junior suit).
A banda que o acompanha é de primeira: Clarecen Oferman (Roxette), Christoffer Lundquist e Jens Jansson (Braimpool) e Helena Josefsson (Sandy Mouche). O resultado é genial, um dos meus álbuns favoritos de sempre. 
Pontos altos: "C´mon" que faz lembrar Prince, a belíssima "Later, later on" que dá uma pirada no final, a deliciosa "Drowning in Wonderful Thoughts about Her" que reaparece numa reprise curta no fim do álbum e, por fim, a linda "Substitute (for the Real Deal)". 
Bacon!

Son of a plumber (Per Gessle Project) (2005)
DISC 1
1. "Drowning in Wonderful Thoughts about Her"
2. "Jo-Anna Says"
3. "I Have a Party in My Head (I Hope it Never Ends)"
4. "C'mon"
5. "Week With Four Thursdays"
6. "Hey Mr DJ (Won't You Play Another Love Song)"
7. "Late, Later On"
8. "Ronnie Lane"
The "Junior suit":
  9. "Are You an Old Hippie, Sir?"
  10. "Double-headed Elvis"
  11. "Something in the System"
  12. "Speed Boat to Cuba"
  13. "Come Back Tomorrow (And We Do it Again)"

DISC 2
1. "Kurt - The Fastest Plumber in the West"
2. "I Never Quite Got over the Fact that the Beatles Broke Up"
3. "Substitute (for the Real Deal)"
4. "Waltz for Woody"
5. "Carousel"
6. "I Like it Like That"
7. "Something Happened Today"
8. "Brilliant Career"
9. "Burned out Heart"
10. "Drowning in Wonderful Thoughts about Her" (reprise)
11. "Making Love or Expecting Rain"
12. Hidden track: Jo-anna says

25 de setembro de 2010

Eskobar - Eskobar

Esse trio de suecos que já está na estrada desde 2000, quando lançaram seu primeiro álbum. No entanto, continuam pouco conhecidos mesmo após a pequena fama com o single de 2002 "Someone new" (vídeo aqui), gravado com a cantora Heather Nova (a linha de baixo dessa música é muito legal!). 
E essa pouca fama é algo que surpreendente, por os caras fazem um som pop/ folk delicioso, inteligente, de alta qualidade, que passa desde canções mais pop (como a ótima "When You're Gone"), que fazem lembrar MUITO Coldplay, até canções super introspectivas e sombrias (como "The Art Of Letting Go", que abre o álbum de um jeito meio do avesso). 
Meus destaques são: a intensa "Immortality", a animada "Persona Gone Missing" e minha favorita absoluta: a baladinha "Devil Keeps Me Moving".
Bacon!


Eskobar - Eskobar (2006)
1. Art Of Letting Go
2. By Your Side
3. Persona Gone Missing
4. Some Of Us Got Paid
5. Whatever This Town
6. Heads Of The Gods
7. Devil Keeps Me Moving
8. When You're Gone
9. Immortality
10. Champagne

4 de setembro de 2010

Wild Beasts - two dancers

Esse ingleses foram amplamente aclamados pela qualidade e inventividade desse seu terceiro álbum na ocasião de seu lançamento em 2009. Depois de dois ótimos álbuns precedentes, esse mantém a qualidade e ainda supera as espectativas.
Canções impressionantes, bem produzidas, contagiantes, hipnóticas, com uma pegada meio experimental, meio dançante, que fazem lembrar David Bowie, TV on the radio e coisas do tipo. Ou seja: nada de apelo comercial, mas de altíssima qualidade!
Foi um dos álbuns mais frequentes em todas as listas de "melhores álbuns" de 2009. E isso é sempre um termômetro interessante porque afinal, tanta gente assim não pode estar errada! E eu acho que não está mesmo: o som deles é genial!
Bacon!

(Bacon retirado por queixa dos malas do DMCA)

Wild Beasts - two dancers (2009)
01 The Fun Powder Plot
02 Hooting and Howling
03 All the King's Men
04 When I'm Sleepy...
05 We Still Got the Taste Dancin' on Our Tongues
06 Two Dancers (i)
07 Two Dancers (ii)
08 This Is Our Lot
09 Underbelly
10 Empty Nest

31 de agosto de 2010

Sarah McLachlan: Laws of Illusion

A canadense Sarah McLachlan ficou bastante conhecida com seu álbum Surfacing de 1997. Em especial, por conta da canção "Angel", que fez parte da trilha sonora do remake cinematográfico  "City of angels" (1998) e virou, com isso,  tema-mela-cueca-prá-momento-romântico. Mas Sarah é muito mais que isso: cantora e compositora, talentosíssima, domina perfeitamente sua voz e a arte de compor.
Esse é seu primeiro álbum de inéditas desde 2003 e está longe de ser tão bom quanto Surfacing, pelo simples motivo de ser um álbum irregular: tem grandes músicas, mas tb tem algumas bastante fracas.
Destaco algumas músicas mais delicadas como "U Want Me 2" e "Changes", lindas, deliciosas. No entanto, minhas favoritas são as duas primeiras, fantásticas: "Illusions Of Bliss" mais grudenta, com um ótimo refrão, e "Awakenings" mais intensa, perturbada, pesada e com o grandioso final.
Bacon!

PS: Bacon nos comentários!



Sarah McLachlan: Laws of Illusion  (2010)
01. Awakenings
02. Illusions of Bliss
03. Loving You Is Easy
04. Changes
05. Forgiveness
06. Rivers Of Love
07. Love Come
08. Out Of Tune
09. Heartbreak
10. Don't Give Up On Us
11. U Want Me 2
12. Bring On The Wonder
13. Love Come (Piano Version)

28 de agosto de 2010

Maísa Moura - Moira (2009)

Quando a mineira Maísa Moura lançou esse lindo álbum em 2009, Mackley Ka, produtor do álbum e (fantástico) compositor de algumas das canções aqui presentes, mandou um e-mail pro PorcariaSonora apresentando a Maísa e oferecendo publicá-la no log. Eu que havia acabado de descobrir o álbum e que já planejava sua publicação aqui apenas recebi o empurrãozinho que faltava.
Longe de ser um álbum comercial é, verdadeiramente, uma obra de arte. Trabalho consistente como poucos, delicado, cuidadoso em detalhes, arranjos mínimos, cheios de sutilezas, de escolhas de instrumentos que reforçam a proposta conceitual do repertório de tratar do diálogo Mouro/ Brasileiro. 
Músicas inéditas e regravações ganham aqui status de "primeira gravação". Até mesmo "Cego com cego" que é, talvez, a canção mais conhecida desse repertório (gravada por Tom Zé), foge de sua cara pop e fica entre o popular e o erudito de uma forma nova e original. O fado brasileiro "Terra estrangeira" de Wisnik ganha guitarra portuguesa e uma voz delicada no lugar da potente voz das fadistas portuguesas. Portanto, é fado e não é. "O pidido", de Elomar, brinca com o linguajar local brasileiro e soa, na verdade, como uma canção dos primeiros álbuns dos Madredeus. "O amor de dentro" parece música de caixinha de músicas da casa da avó. 
Álbum riquíssimo. Recomendo!
Bacon
01. solstício de inverno [chico saraiva e makely ka]
02. mortal loucura [zé miguel wisnik sobre poema de gregório de matos]
03. o pidido [elomar]
04. moçambique [chico saraiva e makely ka]
05. canção de lobisomem [guinga e aldir blanc]
06. sombra [chico saraiva e luiz tatit]
07. ímpar ou ímpar [estrela leminski sobre poema de paulo leminski]
08. o amor de dentro [makely ka e renato negrão]
09. casa de areia [makely ka]
10. terra estrangeira [zé miguel wisnik]
11. extravio [renato negrão e renato villaça]
12. seu avô [mário sève e makely ka]
13. cego com cego [zé miguel wisnik e tom zé]

Roxette - Crash! Boom! Live!

Há 15 anos atrás os suecos do Roxette foram uma das primeiras bandas da história a se apresentar em Jahanesburgo, África do Sul, após o fim do Apartheid (em 1994). Esse foi o show escolhido da turné de divulgação do seu ótimo álbum Crash! Boom! Bang! para ser registrado e lançado em VHS (!). 
Consegui o áudio desse registro raríssimo do ponto alto a carreira dessa dupla, em sua melhor forma. O show nunca foi lançado em DVD nem remasterizado. Mesmo assim vale muito a pena ouvir as versões ao vivo com peso de guitarras e percussão de velhos sucessos como "Dangerous" ou "Dressed for Success".
Chamo a atenção para as raríssimas versões ao vivo de "The rain" (Tourism, 1992) e "Almost Unreal" (Super Mario Bros Soundtrack, 1993). Mas mesmo as manjadas "Spending my time" e "Listen to your heart" ganham aqui versões acústicas e intimistas. E "Sleeping in my car", que é uma das minhas músicas favoritas de sempre ,  ganha cores e tons ao vivo, abrindo em grande estilo um show fantástico.
Bacon!


Roxette - Crash! Boom! Live! Live! (Johannesburg 1995)
1. Sleeping In My Car
2. Fireworks
3. Almost Unreal
4. Dangerous
5. Crash! Boom! Bang!
6. Listen To Your Heart (unplugged)
7. The First Girl On The Moon
8. Harleys & Indians
9. Lies
10. The Rain
11. Run To You
12. It Must Have Been Love
13. Dressed For Success
14. The Big L
15. Spending My Time (piano version)
16. The Look
17. Love Is All
18. Joyride/ How do you do?

22 de agosto de 2010

Elisa Paraíso - Da Maior Importância

Série: Música Brasileira Contemporânea

Álbum delicioso dessa intérprete mineira talentosíssima. O álbum tem vários pontos fortes. Dentre eles a esolha do repertório que inclui músicas que soam "inétidas" aos nossos ouvidos, mesmo quando são de Caetano ou Paulinho da Viola, e grandes canções de ótmos compositores ainda desconhecidos do grande público, como os mineiros Kristoff Silva e Makley Ka.
Outro grande ponto forte é o "apadrinhamento" de três grandes músicos que arranjaram as canções desse álbum: Benjamim Taubkin (pianista que sempre acompanha Mônica Salmaso); André Mehmari (pianista que vem ganhando fama acompanhando Ná Ozzetti) e Guinga (que, pai do céu, se vc nunca ouviu falar, nem sei por onde começar... rs... o cara é parceiro, por exeplo, de Chico Buarque em uma dúzia de canções por exemplo). Só isso já garante qualidade ao álbum. Mas Elisa ainda faz valer seu talento e só utiliza a qualidade dos arranjos como patamar mais alto para, com simplicidade, cantar belíssimamente. 
Destaco "Em pé no porto" (uma das minhas favoritas desse álbum) e a linda versão de "Can´t find my way home".
Bacon!



Elisa Paraíso - Da Maior Importância (2008)

01. Da Maior Importância (Caetano Veloso)
02. Coração Vulgar (Paulinho da Viola)
03. Teixeira (Vitor Santana-Gilberto Satar)
04. Mulher do Norte (Kristoff Silva-Makely Ka)
05. Imitação (Batatinha), com Teresa Cristina
06. Em pé no Porto (Kristoff Silva-Makely Ka)
07. Mané Fogueteiro (Braguinha), com Guinga
08. Santo Forte (Kristoff Silva-Makely Ka)
09. Pássaro Pênsil (Flávio Henrique-Carlos Rennó)
10. Mar Deserto (Kristoff Silva-Makely Ka)
11. ´t CanFind my way Home (Steve Winwood)

15 de agosto de 2010

Dobie Gray - Drift Away

Álbum clássico dos anos 70 que contém a grande gravação da canção "Drift away", pela qual o desaparecido Dobie Gray  permanece lembrado até hoje. Prá ter idéia do peso dessa gravação ser a mais famosa, é só checar que a lista de pessoas que também regravaram essa mesma canção: Ray Charles (1973), Roy Orbison (1974), Dobbie Brothers, Rolling Stones (1974), Rod Stuart (1975), Tina e Ike Turner, Ringo Star (1988). E esses são só alguns dos mais famosos... e a versão considerada "clássica" ainda é sempre a de Dobie Gray...
O álbum todo é muito bom, super bem produzido, com aquele ar Mowtown, meio Cat Stevens, com guitarras e baixos ótimos, percussão e teclados na medida, melodias grudentas e um vocalista com uma voz intensa e precisa. Vale muito a pena!
Bacon!


Lado A
01. Drift Away
02. The Time I love You The Most
03. L.A. Lady
04. We Had It All
05. Now That I'm Without You
Lado B
06. Rockin' Chair
07. Lay Back
08. City Stars
09. Sweet Lovin' Woman
10. Caddo Queen
11. Eddie's song

14 de julho de 2010

André Marques e a Vintena Brasileira - Baque às Avessas

André Marques é o pianista da banda de Hermeto Pascoal  que, além do trabalho com Hermeto e projetos individuais, comanda essa orquestra instrumental que nasceu no conservatório de música de Tatuí.
O álbum é realmente impressionante. Mesmo. A qualidade das composições originais (todas de André), os arranjos, a originalidade, a infinidade de influências (que passam desde o folclore ao jazz). Ao fim da primeira música (com seus 7 minutos) vc tem a sensação de que ouviu um álbum inteiro, tamanha força e densidade. 
Fantástico álbum de música instrumental brasileira. Recomendo!!!
Bacon

1. Meia volta volver
2. Ao infinito
3. Seo Zé, Capítulo 1: Um recado para Seu Zé
4. Seo Zé, Capítulo 2: O arranca-rabo de Seu Zé e Dona Epifânia
5. Seo Zé, Capítulo 3: O final feliz
6. Terra vermelha
7. De baque às avessas
8. A caminho do baile
9. O boi de Tatui
10. Maxixada
11. Coração distante
12. Mais um

10 de julho de 2010

8-bit Pipe

Série: Música Brasileira Contemporânea

Ótimo álbum de estréia desses paulistas que fazem um som super urbano, misturando referências sonoras e culturais, guitarras e interferêcias eletrônivas, rock, pop e eletrônico, com letras em inglês e uma produção im-pe-cá-vel.  
Confesso que a primeira vez que ouvi "Bless America" fiquei de queixo caído, sem conseguir acreditar que fosse uma banda brasileira, de tão bom que é! Essa é uma música genial. "Spent the night in jail" é outro ponto alto do álbum, um ótimo rock mais cru, no melhor estilo grunge. E "Sterile" vai numa linha mais pop alternativo, mas conquista fácil com sua melodia e guitarra deliciosas. 
Bacon!
8-bit Pipe (2010)
1. Bless America
2. Ishii Blues
3. Do it slow (feat. Pupa)
4. Dodging the bull
5. Pawn
6. Spent the night in jail
7. Sterile
8. Boom Box
9. Never let it drop
10. XS City
11. Stocks
12. Little Suzy
13. 8bit part2
14. $hopping
15. Santuário

Graveola e o Lixo Polifônico

Som de altíssima qualidade desses mineiros que compõe e interpretam músicas utilizando, dentre outras matérias primas, o lixo: desde o lixo físico (como brinquedos, panelas e etc,) até o lixo musical (frases musicais de música pop, um riff de uma música sertaneja, um refrão de pagode, axé, clássico romântico, uma melodia emprestada do rádio.) Tudo vale!  E o  resultado é supreendente!
Por vezes essa mistura desconcerta, mas tanto a qualidade dos arranjos instrumentais, como a inteligência e bom humor por detrás das canções conquistam imediatamente. 
"Outro modo" é uma das melhores canções brasileiras que ouvi nos últimos anos: despretensiosa, inteligente e deliciosa. Recomendo ainda "os dois lados da canção" (Roberto Carlos encontra os Mutantes...) e "insensatez". Geniais!
Bacon
1. Outro modo
2. Suprasonho
3. Samba de outro lugar
4. Antes do azul (papará)
5. Amaciar dureza
6. Ensolarado
7. Dois lados da canção
8. Do alto
9. O quarto 217 (As aventura de Dioni Lixus)
10. Benzinho
11. Insensatez: a mulher que fez
12. Chico Buarque de Holanda vai à copa de 2006
13. Cidade

3 de julho de 2010

Série: Música Brasileira Contemporânea

Já fui muito envolvido com a música brasileira, frequentando todo e qualquer show possível (até os mais improváveis...). Entretanto venho notado nos últimos anos um grande marasmo na nossa música: apesar da quantidade de novas bandas, cantores e  (supostas) "revelações", muita coisa soa muito mais do mesmo, com pouca novidade. 
Recentemente dei a sorte de me deparar com alguns novos artirstas que me fizeram reanimar meu interesse e resolvi dividir isso com vcs, criando essa série de críticas: Música Brasileira Contemporânea
Minha pretensão não é outra senão divulgar esse pessoal e alimentar (por menos que seja possível) o sentido do seu fazer musical com meia dúzia de novos ouvintes admiradores. Alguns desses álbuns já foram colocados aqui blog e voltam agora, revistos, reouvidos e reunidos a seus conterrâneos. 
Bom proveito e não deixem de fazer comentários, me indicar sugestões e de ir atrás da agenda de shows dessas bandas para conferi-las ao vivo!
Bacon!

The National - Live at Bonnaroo Music & Arts Festival

Esse é um registro de um dos shows da atual turnê de shows da banda The National que divulga seu novo (excelente) álbum "High Violet" (post aqui). Sou fan descarado desses caras e resolvi disponibilizar aqui esse bootleg para outros interessados. 
Essa gravação foi disponibilizada pelo site NPR e alguma boa alma a coverteu para mp3. A qualidade é boa (nota 7 numa escala de 10), com algumas particularidades (os sopros estão num plano mais destacado do que as guitarras, por exemplo). Mas isso pode soar um pouco como uma remixagem interessante.
O set list é extenso e intenso. Mistura canções do novo álbum (destaque para "Little Faith" e "England", fantásticas ao vivo) e dos dois últimos álbuns (destaco "Apartment Story" do Boxer - 2008 e "Secret Meeting", uma das minhas eternas favoritas, de Alligator, 2005) com um saldo super positivo: The National vai se consagrando como uma das mais interessantes bandas em atividade no momento, tão rica em estúdio como ao vivo. E isso, colegas, é coisa rara e muito valiosa!
Bacon!




The National - Live at Bonnaroo Music & Arts Festival (Manchester, 6.11.10)
1. Start A War
2. Mistaken For Strangers
3. Anyone's Ghost
4. Bloodbuzz Ohio
5. Brainy
6. Secret Meeting
7. Slow Show
8. Squalor Victoria
9. Afraid of Everyone
10. Little Faith
11. All the Wine
12. Available
13. Conversation 16
14. Apartment Story
15. Abel
16. England
17. Fake Empire
18. Terrible Love
19. About Today

27 de junho de 2010

The Whitest Boy Alive - Dreams

Esse é um dos projetos paralelos (e o melhor, na minha opinião) de Erle Oyen, que vc deve conhecer como um dos dois cantores/ compositores da ótima Kings of Convenience.
Álbum genial! Li em algum lugar e repito aqui que esse álbum é um exemplo de como a música pode ser honesta de uma forma apaixonada e simples, sem extremismos. É esse o espírito: vc reconhece e ouve separadamente cada um dos poucos instrumentos que compõe cada uma das canções. E essa limpeza no som é uma de suas grandes qualidades. Veja por exemplo a genial "Done with you". Impossível ouvi-la do começo ao fim sem ficar com ela grudada no cérebro. "Inflation" é outra das minhas favoritas tal como "Fireworks".
Bacon!

The Whitest Boy Alive - Dreams (2006)
1. Burning
2. Golden Cag
3. Fireworks
4. Done With You
5. Don’t Give Up
6. Above You
7. Inflation
8. Figures
9. Borders
10. All Ears

20 de junho de 2010

Jakob Dylan - Women and Country

O tempo fez bem a Jakob Dylan. Esse seu segundo álbum supera em anos luz seu primeiro trabalho solo e até de sua ex-banda Wallflowers.
Os arranjos são de altíssima qualidade, enxutos, mínimos. O baixo acústico, as percussões discretas, os sopros e cordas apenas dando contorno às canções. A vozes de Jakob (afinadíssima) e os fantásticos e precisos backing vocals femininos (Neko CaseKelly Hogan) que se contrapõe perfeitamente ao tom grave de Dylan. A produção é assinada pelo mesmo T Bone que produziu o genial álbum de Robert Plant e Allison Kraus (post aqui). E isso, por si, já explica muito do salto qualitativo do primeiro para o segundo solo do rapaz.
As músicas são todas ótimas, mas em especial destaco "Everybody's Hurting" (ao vivo aqui), com seu delicioso refrão. A dobradinha de singles em potencial "Truth For A Truth" (super Wallflowers) e "They've Trapped Us Boys" (um folk delicioso, ao vivo aqui) que repetem a fórmula da melodia que culmina num ótimo refrão. Por fim, "Lend A Hand" que conta com um arranjo de sopros digno de um álbum de jazz. Genial!
Bacon!

PS: resolvi eliminar o link  e preservar apenas a resenha após a terceira vez que deletaram esse post. 




Jakob Dylan - Women and Country (2010)
1. Nothing But The Whole Wide World
2. Down On Our Own Shield
3. Lend A Hand
4. We Don\’t Live Here Anymore
5. Everybody\’s Hurting
6. Yonder Come The Blues
7. Holy Rollers For Love
8. Truth For A Truth
9. They\’ve Trapped Us Boys
10. Smile When You Call Me That
11. Standing Eight Count

1 de junho de 2010

William Fitzsimmons - The sparrow and the crow

Mais um álbum da série: "álbuns incríveis com capas questionáveis"...

Boas melodias, harmonias simples e circulares, arranjos folk simples e minimalistas, letras melancólicas sobre as as ilusões e agouras do amor. Essa é a receita eficiente desse cara, filho de um casal de músicos cegos (sério!). A sensibilidade e o estilo musical de Willian Fitzsimmons faz lembrar muito o de Damian Rice. A simplicidade na estrutura das canções tb. 
O álbum abre muito bem com "After afterall" que é, na realidade, um desenvolvimento da canção "Afterall" que fecha seu álbum anterior (o que cria uma ligação bastante interessante se vc os ouve em sequência). Destaco ainda as duas ótimas canções que dão título ao álbum: "I don't feel it anymore (song of the sparrow)" e "Please forgive me (song of the crow)". E minha favorita é "If you would come back home", com seu piano delicado e o refrão intenso.
Bacon!


01 - After Afterall
02 - I Don't Feel It Anymore (Song Of The Sparrow)
03 - We Feel Alone
04 - If You Would Come Back Home
05 - Please Forgive Me (Song Of The Crow)
06 - Further From You
07 - Just not Each Other
08 - Even Now
09 - They'll Never Took The Good Years
10 - You Still Hurt Me
11 - Find Me To Forget
12 - Goodmorning

30 de maio de 2010

Frida - Djupa Andetag (ex-Abba)

Viva Suécia!

Frida é uma das duas voses femininas da banda sueca de maior sucesso de todos os tempos, o Abba, que teve seu fim em 1982.  Desde então Anni-Frid Lyngstad, sabiamente apelidada apenas como Frida (rs...), mantém uma produção solo bem esporádica, mas dsempre de altíssima qualidade.
Esse seu mais recente álbum dela, lançado em 96, após um intervado de 12 anos sem gravar, cheio de músicas deliciosas, divertidas e contagiantes, compostas e gravadas em sueco.
O álbum conta com a participação especial de Marie Fredriksson (Roxette) que divide os vocais na ótima "Alla Mina Basta Ar", uma das mais pops e um dos pontos altos do álbum. Recomendo ainda o quase tango "Hon fick som hon ville" e o quase reggae "Ven kommer såra vem ikväll?".
Bacon!
1. Alska Mig Alltid
2. Ogonen
3. Aven en Blomma
4. Sovrum
5. Hon Fick Som Hon Ville
6. Alla Mina Basta Ar (com Marie Fredriksson)
7. Lugna Vatten
8. Vem Kommer Sara Vem Ikvall
9. Sista Valsen Med Dig
10. Kvinnor Som Springer

28 de maio de 2010

January - Motion Sickness

January revelou-se uma banda genial com o lançamento de seu primeiro állbum (aqui). Banda alternativa, evidentemente. No entanto, depois desse início promissor, milhares de contra tempos e desentendimentos entre os integrantes da banda conturbaram a gravação desse segundo (e último) álbum da banda. Sim. Infelizmente, January é uma banda irremediavelmente extinta e esse é um álbum fantástico que nos faz lamentar muito isso. 
Som muito bem cuidado e produzido, marcado por violões folk e slide guitars, levada meio hipnótica, fluido, cheia de detalhes e sutilezas. Delicioso para mergulhar fundo com headphones.
Recomendo sinceramente. Chamo a atenção para a ótima "Signal Free", para a piração catártica de "Sandwood" e para a delicada "Have You Seen A Horizon Lately" (que, pasmem, é uma cover de Yoko Ono!)
Bacon!

01 Paul O'Reilly
02 Someone
03 Signal Fire
04 Caught
05 Motion Sickness
06 The Square Is Closing
07 Sandwood
08 Have You Seen A Horizon Lately (Yoko Ono Cover)

15 de maio de 2010

The National - High Violet

Cada vez melhores naquilo que já fazem muito bem (escrever e interpretar suas canções), The National, banda do Brooklin, NY, acaba de lançar seu novo álbum. A expectativa por detrás desse lançamento era grande, afinal, depois de dois álbuns excelentes  (Alligator em 2005 e Boxer em 2008) e da discreta fama e admiração declarada que a banda foi conquistando ao longo dos anos, não se poderia esperar menos deles. E eis que High Violet não decepciona: é o melhor álbum deles até o presente, maduro, coerente, inteligente, bonito, sem nenhum excesso, irretocável do começo ao fim.
Cheio de ótimas canções, nenhuma delas com potencial pop de hit single para o rádio, é um álbum plano: sem  pontos altos nem baixos. Mas, veja bem, estamos falando de um plano em nível "ótimo" (ou mais!). Ou seja: 11 canções fantásticas (mais do que algumas bandas conseguem numa vida de trabalho...). 
Muito mais interessantes do que o R.E.M., Radiohead ou U2, com suas afetações políticas e ideológicas, The National trata em suas músicas de  um mundo interior, universal. Seu vocalista é apenas uma das peças importantes da banda, em que o grupo todo interfere e constrói as canções em conjunto, num complexo processo de composição e produção que tem um resultado sempre surpreendente. Aliás, o talento e criatividade do baterista deles sempre me deixou de queixo caído. Repare só na vida que tem a bateria nas canções.
O álbum conta com as ilustres participações de Sufjan Steven no backing vocal de "Afraid of everyone" e de Justin Vermont (Bon Iver) em "Vanderlyle Crybaby Geeks", duas canções fantásticas. Além de "Bloodbuzz Ohio" que é o primeiro singlo do álbum, bem no meio dele, destaco a fantástica "Sorrow", para muitos, melhor canção de High Violet.
Bacon!
PS: sem link para download porque já deletaram esse post duas vezes... fica aqui só a críticca ao álbum.
The National - High Violet (2010)
01 Terrible Love
02 Sorrow
03 Anyone’s Ghost
04 Little Faith
05 Afraid of Everyone
06 Bloodbuzz Ohio
07 Lemonworld
08 Runaway
09 Conversation 16
10 England
11 Vanderlyle Crybaby Geeks

8 de maio de 2010

Zazie - Zen

Prá quem curte um bom pop tá aqui uma das minhas descobertas recentes. 
Zazie é francesa, cantora e compositora, muito conhecida na europa e praticamente anônima no resto do mundo. Esse é o seu segundo álbum, cujo single de maior sucesso é "un point c'est toi" que, além de ótima canção (minha favorita) tem  um videoclipe muito bom e inteligente. 
Destaco ainda a faixa 8 "au diable nos adieux", baladinha deliciosa, no melhor estilo Pop de FM, com seu refrão grudento. A faixa 11 "j'envoie valser" encanta com os deliciosos arcodeons (música francesa tem que ter!!!) e conquista com seu ótimo refrão.
Bacon!
01. Fou De Toi
02. Homme Sweet Homme
03. Larsen
04. Un Point C'Est Toi
05. Je T'Aime Mais
06. Zen
07. Craque Monsieur
08. Dieu Que Pour Toi
09. Hissée Haut
10. Une Souris Verte
11. J'Envoie Valser
12. La La La

30 de abril de 2010

Frida Hyvönen - Silence Is Wild

Sim! De novo!!!
A voz dissonante e intensa de Frida incomoda um pouco no começo. Mas rapidamente vc entra na atmosfera do seu universo e, quando vê, está imerso em melodias belíssimas, arranjos elegantes e músicas magníficas. Esse é o segundo álbum dessa jovem cantora, pianista e compositora madura, livre de rótulos ou prisões de estilo.
Álbum apaixonante!
"Enemy Within" soa como uma balada dos anos 80, no melhor estilo Kate Bush ou Carl Simon, linda e dolorosa. A animada "Scandinavian Blonde" é uma piada auto referente. E a bobinha "Birds" é dasminhas favoritas: a mais pop e delicioasa do álbum. A ótima "Why Do You Love Me So Much" tem uma coisa meio improvisada, voz e piano soam como se ganhassem força e confiança ao longo da canção. Fantástica escolha para fechar o álbum deixando vontade de mais. 
Bacon!

1.Dirty Dancing
2.Enemy Within
3.Highway 2 U
4.London!
5.My Cousin
6.Science
7.Scandinavian Blonde
8.December
9.Birds
10.Pony
11.Sic Transit Gloria
12.Oh Shanghai
13.Why Do You Love Me So Much

25 de abril de 2010

Fredrika Stahl - Tributaries

Segundo álbum fantástico dessa moça que mistura jazz e pop de uma forma elegante, inteligente e cativante. Realmente impressionante como ela transita entre canções completamente diferentes e mantém a unidade no álbum.
Minha favorita é a pop "so high", mas o álbum é inteiro ótimo.
Bacon!

01. Monumental Mismatch
02. So High
03. Pourquoi Pas Moi?
04. Irreplaceable
05. Stuck On A Stranger
06. Oh Sunny Sunny Day
07. One Man Show
08. I'Ll Win Your Heart
09. Dina Ogon Bla
10. The Damage Is Done
11. One Man Show

21 de abril de 2010

Noel Gallagher - The Dreams We Have As Children

Esse álbum é uma coletânea de gravações ao vivo em ótima qualidade feitas no London Royal Albert Hallde de uma apresentação feita pelo Noel Galliger (a "alma" do recém extinto Oasis) num evento especial em prol do Teenage Cancer Trust. O álbum foi lançado em 2009 pelo jornal inglês "Mail On Sunday". 
Tanto arranjos como repertório (basicamente lados B do Oasis) lembram muito o acústido MTV de 1996. Dois pontos alto são as ótimas "Fade away" (da qual vem o verso que dá nome ao álbum) e "Listen Up". A obscura "Sad song" aparece aqui numa rara gravação ao vivo (eu mesmo não lembro de jamais tê-la ouvido ao vivo).
Esse é um álbum que deixa bastante clara a qualidade das composições e interpretações de Noel, despidas e cruas, e que me faz realmente acreditar que há um futuro promissor para suas músicas após o fim do Oasis. Talvez de agora em diante Noel possa ter a liberdade de tomar as decisões musicais que acha mais convenientes, sem ter que brigar por elas. E nesse sentido, me parece no mínimo "curioso" que esse primeiro álbum lançado pós Oasis abra com a canção "(it´s good) to be free".  
Bacon!


01 - (It’s Good) To Be Free
02 - Talk Tonight
03 - Fade Away
04 - Cast No Shadow
05 - Half The World Away
06 - The Importance of Being Idle
07 - The Butterfly Collector (with Paul Weller) (Paul Weller cover)
08 - All You Need Is Love (with Paul Weller) (Beatles cover)
09 - Don’t Go Away
10 - Listen Up
11 - Sad Song
12 - Wonderwall
13 - Slide Away
14 - There Is A Light That Never Goes Out (Smiths cover)
15 - Don’t Look Back In Anger
16 - Married With Children

17 de abril de 2010

Neil Halstead - Sleeping on roads

Esse é o primeiro álbum solo do inglês Neil Halstead, vocalista da ótima banda Mojave 3 (postado aqui) e lançado no longíquo ano de 2002...
Álbum curto, cheio de músicas ótimas, som pop, limpo, violões, slide guitars... Um álbum lindo, delicado, delicioso, prá deixar rolando, se deliciar e repetir, repetir, repetir...
Destaco a deliciosa "Seasons".
Experimente. Vale a e pena!
Bacon!
Neil Halstead - Sleeping on roads (2002)
01. Seasons
02. Two Stones In My Pocket
03. Driving With Bert
04. Hi-Lo And Inbetween
05. See You On Rooftpos
06. Martha's Mantra (For The Pain)
07. Sleeping On Roads
08. Dreamed I Saw Soldiers
09. High Hopes

15 de abril de 2010

Problemas Técnicos

Cãaaaaaaaaaaaes!!!
O Rapidshare resolveu dar uma de chato: ou tá querendo dificultar a vida dos blogs ou tá querendo fazer uma graninha extra pro próximo feriado... Fato é que subitamente nossa equipe do blog (sim, somos uma equipe de umas dez pessoas!) que compartilhava uma mesma conta e centralizava o acervo postado no blog se viu proibida de compartilhar o acesso ao Rapidshare. 
Assim, após alguns dias pensando no que fazer, acabei optando por experimentar outro site de hospedagem que, ao que me pareceu, é bem mais generoso para downloads. Façamos a experiência e vcs, por favor, me dêem algum retorno se a coisa tá rolando ou se ficou uma merda. 
Bacon!


28 de março de 2010

Robert Plant & Alison Krauss - Raising Sand


Descobri recentemente esse álbum, por sugestão de um colega, e fiquei absolutamente apaixonado. Produzido T Bone Burnett (Roy Orbison, Elvis Costello e Wallflowers) os arranjos são elaboradíssimos, mas minimalistas, discretos, elegantes, precisos. O álbum é uma obra de arte!
Nunca gostei nem de Led Zepelin, nem da carreira solo de Robert Plant e Jimmy Page. Com excessão de algumas (poucas) canções, sempre os achei musicalmente excessivos, exibicionistas, chatos. No entanto o talento musical e o timbre de Plant casa perfeitamente com a voz agridoce da cantora de blues Alison Krauss, e o resultado é um álbum fantástico: sensível, cativante e de muito bom gosto.
Grande vencedores do Grammy de 2009 com os prêmios de melhor colaboração pop com vocais com a música "Rich Woman", gravação do ano pela faixa "Please Read the Letter" (uma das minhas favoritas desse álbum), melhor colaboração country com vocais por "Killing The Blues" e melhor disco de folk norte-americano pel álbum "Raising Sand", considerado também o melhor disco de 2008.
Recomendo ainda a ótima regravação dos Everly Brothers "Gone, Gone, Gone" e a deliciosa "Stick With Me Baby".
Resumindo: é um puta álbum! Impossível não se render à tamanha qualidade.

Give yourself to Bacon!!!




01. Rich Woman
02. Killing The Blues
03. Sister Rosetta Goes Before Us
04. Polly Come Home (Gene Clark, ex- The Byrds)
05. Gone Gone Gone (Done Moved On) (Everly Brothers)
06. Through The Morning, Through The Night (Gene Clark , ex- The Byrds)
07. Please Read The Letter (Plant / Jimmy Page)
08. Trampled Rose (Tom Waits )
09. Fortune Teller
10. Stick With Me Baby
11. Nothin’ (Townes Van Zandt )
12. Let Your Loss Be Your Lesson
13. Your Long Journey